Transparência nas Indústrias de Alimentos: Visão 2030

Transparência nas Indústrias de Alimentos: Aumente suas vendas!

É de conhecimento geral que há uma necessidade de melhorias na transparência com o consumidor de alimentos e bebidas, tendo em vista as lacunas de conhecimento sobre as características desses produtos. Logo, faz-se necessário minimizar os impactos indesejáveis, por exemplo, confusão e indução ao erro nas compras por parte dos clientes.

É válido ressaltar que iniciativas das empresas para conferir maior transparência na comunicação, demonstram a evolução nos esforços para o atendimento das demandas da sociedade. Buscando, por mais conhecimento sobre a composição dos alimentos industrializados. Sendo elas, sua forma de produção e o comportamento ético dos fabricantes, entre outras informações que passaram a ser relevantes no processo de escolha dos produtos a serem consumidos. Nesse sentido, através de relatórios públicos, elas têm prestado contas à sociedade também sobre seus avanços em responsabilidade social, ética e sustentabilidade. Ademais, os sistemas regulatórios apresentam avanços no aperfeiçoamento das normas para padronizar determinados tipos de informação ao consumidor. Assim como é o caso da colaboração com a ANVISA para introduzir o sistema de rotulagem nutricional frontal nos produtos.

Em meio a esse cenário, listamos abaixo algumas iniciativas empresariais visando promover maior transparência aos consumidores e sociedade:

  • BARILLA: Criou a plataforma “Per darti il Meglio” com informações para os consumidores sobre nutrição, bem-estar animal e uma enciclopédia que descreve os ingredientes em detalhes, identificando suas origens, como é usado e processado. Além disso, mantém uma comunidade online, “Nel Mulino che Vorrei”, que interage com mais de 210.000 usuários para obter sugestões e feedback sobre suas marcas.
  • Coca-Cola: O Centro de Relacionamento do Consumidor (CRC) interage com mais de 30 mil pessoas por mês. Tendo como objetivo estabelecer uma comunicação com a sociedade, com diálogo aberto e transparente. Desde 2009, assumiu o compromisso global de informar as calorias na parte frontal do rótulo, em todas as embalagens. De forma voluntária, utiliza a tabela Valor Diário de Referência em todos os rótulos das bebidas, seguindo o modelo internacional Guideline Daily Amount (GDA). Esse modelo destaca a quantidade de calorias e açúcares totais, gorduras totais, gorduras saturadas e sódio por porção ou embalagem individual. Outrossim, apresenta os valores diários de referência desses nutrientes, em conformidade com o estabelecido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).
  • HERSHEY’S: Atualmente, 90% do portfólio da Hershey’s possui um SmartLabel™ digitalizável, com ampla variedade de informações sobre o produto, incluindo aspectos nutricionais, ingredientes e suas definições.  Além de esclarecimentos sobre alérgenos, sem glúten e ingredientes OGM.

No caso da prática de publicidade e propaganda responsáveis, de maneira complementar às diretrizes e normas internas que orientam a criação das mensagens promocionais. As empresas têm assumido compromissos públicos junto a instituições nacionais e internacionais como: Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas (ABIR), Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), Câmara de Comércio Internacional (ICC), Aliança Internacional de Alimentos e Bebidas (IFBA), Global Alliance for Responsible Media (WFA) e Organização Mundial da Saúde (OMS).

Seguindo essa lógica, enumeramos algumas ações empresariais no âmbito da publicidade e propagandas responsáveis.

  • BRF: Estabelece como indicador (GRI 417-3) o número de casos de não conformidade relativos à comunicação de marketing.
  • BUNGE: Um dos pilares do sistema de gestão da qualidade é o conceito de food transparency. Suas ações de comunicação adotam todas as legislações pertinentes dos mercados em que atua.
  • DANONE: Desde 2007, mantém compromisso com propaganda responsável para o público infantil, co-preside a International Food e Beverage Alliance (IFBA) e apoia a Política Global da IFBA sobre Comunicações de Marketing para Crianças. Essa política, alinhada aos objetivos do Conjunto de Recomendações da OMS de 2010 de Marketing para Crianças, visa reduzir o impacto nas crianças da comercialização de alimentos ricos em gorduras, açúcar e sal e, ao mesmo tempo, aumentar o acesso a alimentos e bebidas compatíveis com uma dieta equilibrada e um estilo de vida saudável e ativo.

Embora esteja havendo movimentações em prol de uma melhor transparência com os consumidores, as informações divulgadas pelas empresas continuam a ser desacreditadas por meio da propagação de mitos e preconceitos por instituições e profissionais que são ideologicamente contrários à indústria. Consequentemente, é imprescindível que o diálogo com a sociedade seja também destinado a derrubar mitos, portanto, uma tarefa complexa que requer a participação, além das empresas, das entidades setoriais, universidades, institutos de pesquisa e demais stakeholders do setor.

Quer saber mais sobre os avanços na transparência das informações dos produtos alimentícios e as participações das empresas no aperfeiçoamento da comunicação com os consumidores? Entre em contato conosco e se mantenha atualizado.

Gostou do conteúdo? Confira mais sobre alguns temas relacionados já abordados em posts do nosso blog:

Clean Label: Nova Tendência Nutricional

Rotulagem Nutricional Frontal: O que muda com o novo modelo?

Food Frauds: Será que estou sendo enganado?

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *